terça-feira, 13 de abril de 2010

WIRED 05.10


A edição deste mês da Wired comemora aniversário de 1 ano de lançamento no Reino Unido. Para isso traz na sua capa a matéria sobre as 100 pessoas mais influentes no desenvolvimento do mundo digital no UK ('The Wired 100 - Who's shaping the digital world?'). Um extensa lista de nomes e funções com algumas poucas descrições detalhadas do profile da pessoa. O primeiro da lista não por acaso é o CEO da Google UK Matt Brittin. Interessante notar a presença de Ajaz Ahmed (posição número 34) co-fundador e presidente da AKQA, #52 Rory Sutherland vice-chairman do Ogilvy Group UK e #94 Nicole Yershon Diretora de soluções inovadoras também da Ogilvy. Legal saber que algumas agências estão se destacando a ponto de exercer influência nos rumos que o desenvolvimento digital no UK está tomando ao invés de ser somente uma observadora passiva e seguidora de tendências estabelecidas por terceiros.
Outra matéria que achei interessante por razões pessoais foi sobre o uso da CCTV (câmeras de circuito interno). A Inglaterra é o país que mais utiliza essas camêras no mundo, gastando milhões e milhões de libras na compra, instalação, manutenção e operação desses sistemas, e 15 anos depois ainda não existe um consenso sobre a verdadeira utilidade das mesmas. Pesquisas mostram que elas não ajudam na redução da criminalidade e ajudam muito pouco na resolução de crimes. Achei esta reportagem bastante inusitada, assustadora e ao mesmo interessante por quebrar a idéia de segurança que temos quando estamos em locais onde há câmeras por todos os lados.
A reportagem mais interessante desta edição foi a chamada 'Tabula rasa - Why the new generation of tablet computers changes everything". É uma grande babação em cima do iPad da Apple, mas explica como esse novo aparelho irá mudar a maneira como nós interagimos com a tecnologia. A TV é um excelente meio para lazer mas péssimo para trabalho. O computador é o oposto. O iPhone foi o primeiro aparelho lançado que conseguiu unir as duas coisas de forma decente. As pessoas estão tão propícias a responder um email quanto a assistir um longo vídeo nele. Os tablets são um passo à frente nessa direção. O tamanho maior sem perder a portabilidade, a experiência tátil do touchscreen e do accelerometer, o acesso móvel à internet, a simplicidade de utilização por um sistema de navegação intuitivo, enfim, estes novos aparelhos serão como verdadeiras janelas para mundo que permitirá uma liberdade às pessoas nunca antes sentida. "A smartphone is mobile, but isn't fun to browse on. A laptop has the technology in built in, but few want to carry around a three-kilo computer for the privilegy of using a browser. The tablet bridges this gap. People will not only engage in new social experiences but will do so on a device that's easy (and beautiful) to use, wherever they may feel so inspired." Gina Bianchini, CEO, Ning.
Na minha opinião esta edição não foi tão interessante como a Wired costuma ser. Acho que para uma edição de aniversário ela merecia uma matéria de mais impacto. Acredito que a lista dos 100+ UK digital foi o resultado de um esforço tremendo de meses de pesquisa, mas achei bastante chata e sem graça (afinal, é uma lista, nada mais). A matéria mais interessante que é sobre os novos tablets pareceu até uma matéria paga pela Apple. Enfim, acho que a leitura desta revista sempre é muito válida, mas esta mês fiquei só na expectativa. Vamos ver como virá a do mês que vem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário